Lisboa tem um elevado risco sísmico e não está preparada para uma catástrofe

Risco

A cidade de Lisboa tem um risco sísmico de 100% – todos os peritos o dizem e pode acontecer a qualquer momento, mas nem cidade nem os habitantes estão preparados. Quem o diz é o especialista em prevenção sísmica e professor do Instituto Superior Técnico, Mário Lopes, que deixa o alerta: se o terramoto de 1755 se repetisse, um terço da capital ficaria destruída.

Seriam entre 17 e 27 mil mortos num cenário pessimista. Os estragos nos edifícios deixariam cerca de 100 mil pessoas desalojadas. Para se perceber o impacto do sismo tem de se ter em consideração dois fatores: as características dos edifícios (onde se inclui o tipo de construção) e os tipos de solos – um solo mais mole tende a amplificar o movimento do sismo.

Em termos de risco sísmico, a zona ribeirinha é a mais problemática. Outras zonas de preocupação são os vales da Avenida Almirante Reis, da Avenida da Liberdade e de Alcântara, já que são zonas de aluvião, onde o comportamento dos solos ainda não é muito solidificado, adianta Manuel Ribeiro, diretor do Serviço Municipal de Proteção Civil de Lisboa. Apesar de não ser possível definir com exatidão as zonas mais seguras, os especialistas destacam a zona de Monsanto e as duas pontes sobre o Tejo.

Até aos anos 50 não havia qualquer legislação sobre sismos na construção dos edifícios. No entanto, continua a não haver qualquer exigência para as construções anteriores a essa data e, atualmente, o Estado não verifica se a regulamentação é de facto cumprida.

As regras para a reabilitação dos edifícios antigos apenas tem de seguir a legislação da data da construção, ou seja, a maioria dos prédios necessitados de reabilitação não têm de ter qualquer cuidado com a resistência sísmica. A fiscalização é fraca porque um reforço sísmico de um edifício aumenta o custo entre 10 a 30%.

O que podes fazer para te prevenires de um sismo e das suas consequências:

  • Verificar se a construção da casa é segura contra riscos sísmicos e fazer obras caso não se verifique;
  • Colocar objetos pesados junto ao chão e nunca em armários altos;
  • Fixar os armários às paredes para não caírem;
  • Ter instalado um dispositivo próprio para cortar automaticamente o gás;
  • Ter preparado um kit de segurança com roupas, lanterna, rádio portátil, água, alimentos enlatados e medicamentos;
  • Optar por ter a cobertura para fenómenos sísmicos no seguro da casa.

 

Fonte: NIT e SOL

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *